Conhecimento mais profundo da doença periodontal – por Paloma Camacho Losada

version-espanolaCom orgulho que apresento a nossa nova parceria com o blog “el blog del Higienistas“, um blog similar ao nosso de nuestros hermanos. Apresento também a sua autora Paloma Camacho Losada através deste artigo escrito pela mesma.

Srta. Paloma Camacho Losadapaloma-camacho-losada

Técnico Superior en Higiene Bucodental

A doença periodontal é uma doença que afecta as estruturas de fixação do dente e é caracterizada por uma exposição bacteriana que pode promover a resposta destrutiva do hospedeiro, levando à perda de inserção periodontal, osso e, finalmente, a possível perda de peças dentárias.
A periodontite é uma agressão patogénica inflamatória que continua a nível sistémico pela superfície do epitélio nas bolsas que permite, através de determinados mecanismos, a passagem de bactérias e os seus produtos para o resto do corpo.sans-titre

As doenças periodontais incluem todas as alterações de qualquer origem que atacam o tecido periodontal. Estes incluem gengivites, periodontites e várias manifestações de doenças periodontais a nível sistémico.

A gengivite necrosante (GN), periodontite necrosante (PN) e estomatite necrosante (EN) são as doenças inflamatórias mais graves causadas por bactérias da placa. Elas desenvolvem-se rapidamente, com consequente destruição tecidual massiva.

Os mecanismos que permitem a passagem de bactérias para o corpo pode ser resumida em três pontos:

  • Infecção Metastática: microorganismos entram na corrente sanguínea, não são eliminados e espalham-se.
  • Danos metastáticos: pelas endotoxinas e lipopolissacarídeo secretados e letais para as células.
  • Inflamação metastática: por reações antígenio-anticorpo e secrecção de mediadores químicos.

Relação entre a doença periodontal e doenças sistémicas:

Nas condições em que a doença periodontal (DP) se relaciona com doenças cardiovasculares encontramos: endocardite bacteriana, enfarte do miocárdio, doença cardíaca isquémica, trombose, insuficiência coronária e varizes.

A relação entre DP e doenças respiratórias é definido sempre que existam falhas nos mecanismos de defesa. Patologias mais frequentes são: pneumonia bacteriana, bronquite, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e efisemas pulmonares.

DP torna-se factor de risco para a diabetes mellitus, pela secreção de produtos finais de glicação avançada (AGEs), que se ligam a receptores de membrana de células fagocíticas (monócitos de hipersecreção) e regulam as funções dos mediadores químicos pró-inflamatórias a manutenção de uma hiperglicemia crónica como a que ocorre na diabetes.

DP também está relacionado com desordens renais, tais como a necrose tubular aguda e nefrite devido à mesma libertação de mediadores químicos, e a formação de trombos que podem causar danos nos rins. Além de perturbações gastrointestinais tais como úlceras pépticas, gastrite crónica e neoplasias.

Atualmente, existem evidências que sugerem a presença de DP como um fator de risco para nascimentos prematuros com bebês de baixo peso, e sugere que as mulheres grávidas que sofrem da doença, têm um risco 7 vezes superior a ter filhos antes do tempo.

A melhor abordagem para lidar com estas doenças é a prevenção, seguida de detecção precoce de DP e tratamento. Além disso, a identificação e gestão de problemas periodontais, aplicar os princípios fundamentais e compreender a origem e a contribuição de fatores de risco para a doença e considerar diferentes estratégias inerentes ao tratamento de pacientes com idade mais jovem.

Etiopatogenia

DP é desencadeada quando um indivíduo tem um certo número de factores que tornam a resposta do hospedeiro à presença de certas bactérias  insuficiente para evitar a invasão de agentes patogénicos produzidos por estas mesmas bactérias. Estes fatores são:

  • Gengivite existente;
  • Má higiene oral
  • Stress
  • Má-nutrição
  • Imunossupressão
  • Tabaco e álcool

Tratamento mecânico para Doença Periodontal

A curetagem é indispensável para o tratamento da DP, envolve a remoção de bactérias, placa e tártaro depositado sobre as raízes dos dentes.

Isto permite a desinflamação da gengiva, e reduzação do sangramento e parar a perda de suporte do dente. Por vezes esta fase de tratamento é acompanhado pelo uso de antibióticos.

Tipicamente na periodontite, o tratamento é organizado em duas fases. Na primeira fase, são realizadas as curetagens. Posteriormente irá avaliar a situação clínica periodontal e considerar se é ou não necessário o tratamento com cirurgia periodontal para limpar as bolsas periodontais que podem ter sido criados.

Após a fase de eliminação da placa e dos tecidos degenerados será passado para uma fase de manutenção em que o periodonto será regularmente controlada para que não continue o mesmo problema de forma crónica ou aguda no futuro. Para esta fase de manutenção adicionamos uma higiene oral diária adequada que encorajamos no paciente periodontal, uma vez que deve entender que seu papel é importante no tratamento.

Os tratamentos químicos para Doença Periodontal

A terapia antibiótica sistémica pode ser essencial para a eliminação de bactérias patogénicas que invadem os tecidos gengivais assim como para reduzir e controlar essas mesmas bactérias.

Como premissa, podemos dizer que devem ser utilizados regimes de antibióticos que oferecem cobertura contra os principais microrganismos envolvidos em cada imagem, tanto aeróbia ou anaeróbia. Normalmente existem boas respostas com amoxicilina / clavulanato, metronidazol, clindamicina, doxiciclina e metronidazol e combinações de metronidazole mais amoxicilina / clavulanato.

Os produtos químicos agem na placa quantitativa e qualitativamente através dos seguintes meios:

  • Evitar a adesão bacteriana, com agentes anti-adesivos.Hipocloritos são substâncias anti-adesivas, mas são tóxicos na cavidade oral.
  • Parar atrasar a proliferação bacteriana com antimicrobianos.
  • Alterando a formação de placa.

Substâncias utilizadas para o controle do conselho:

  • Compostos de amônio quaternário: cloreto de cetilpiridínio (usado em dentífricos e colutórios).
  • Óleos essenciais: uma mistura de timol, mentol e eucaliptol combinado com o salicilato de metilo e uma apresentação em diferentes sabores (Listerine).
  • Triclosan: É um bisfenol clorado anti-séptico. Triclosan parece ser importante para controlar a gengivite tendo um papel anti-inflamatório.
  • Fluoretos: têm propriedades antiplaca. Os mais comuns usados localmente são o fluoreto de estanho, fluoreto de sódio e fluoreto fosfato acidulado. Afigura-se que o mecanismo de acção de fluoreto estanoso é a alteração da agregação bacteriana e metabolismos.
  • Hexetidina: É um derivado de pirimidina que são atribuídas propriedades anti-sépticas, bem como acelerar a cicatrização.
  • Clorhexidina: Seu uso é ampla e é o agente mais eficaz para o tratamento periodontal. Redução de placa e gengivite chega a 60%. O seu mecanismo de acção é por redução da formação da película adquirida e alteração do crescimento bacteriano e adesão ao dente.

 

Bibliografía:

1.       Enzimas salivales y enfermedad periodontal.  Tatjana Todorovic 1, Ivan Dozic 1, Mario Vicente Barrero 2, Besir Ljuskovic 3, Janko Pejovic 4, Marjan Marjanovic 4, Milan Knezevic. Med Oral Patol Oral Cir Bucal 2006;11:E115-9.

2.       Enfermedad Periodontal como factor de riesgo de retardo del crecimiento intrauterino. Robles JJ, Salazar F, Proaño D. Rey Estomatol Herediana 2004;14(1-2) : 27 – 34.

3.       Periodontitis agresiva: diagnóstico y tratamiento. Benigna Pérez Luzardo. Acta Odontológica Venezolana – VOLUMEN 47 Nº 4 / 2009.

4.       La enfermedad periodontal como riesgo de enfermedades sistémicas. Dra. Maritza Peña Sisto; Liliana Peña Sisto; Dra. Ángela Díaz Felizola; Dra. Deysi Torres Keiruz; Dra Niurka Lao Salas.

5.       Frecuencia de HSD posterior al RAR en un grupo de pacientes evaluados en el postgrado de periodoncia de la facultad de odontología UCV. Estudio piloto. Ilusión Melina Romero Amaro; Laura Escalona; Ana María Acevedo. Acta Odontológica Venezolana – VOLUMEN 46 Nº 3 / 2008.

6.       Antisépticos en el tratamiento de la enfermedad periodontal. Bascones Martínez A, Mudarra Morante S, Perea Pérez E. Av Periodon Implantol. 2002; 14,3: 101-114.

7.       Factores de riesgo de la enfermedad periodontal: factores genéticos. Rioboo Crespo M, Bascones A. Av Periodon Implantol. 2005; 17, 2: 69-77.

8.       Bases farmacomicrobiológicas del tratamiento antibiótico de las enfermedades periodontales y periimplatarias. Liñares J. Martín-Herrero JE. Av Periodo n Implanto!. 2003; 15.3: 139-147.

9.       Cuándo, cómo y porqué del tratamiento antibiótico en las enfermedades periodontales y perimplantarias. Gutiérrez Pérez ]L, Infante Cossío P, Hita Iglesias P, Torres Lagares D. Av Periodon Implantol. 2003; 15,2: 87-98.

10.    Formas agudas de periodontitis. Pérez-Salcedo L, Bascones-Martínez A. Av Periodon Implantol. 2008; 20, 1: 49-58.

11.    Impacto del tabaquismo en la enfermedad y el tratamiento periodontales. GEORGIA K. JOHNSON Y JANET M. GUTHMILLER. Periodontology 2000 (Ed Esp), Vol. 19, 2008, 120-128.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s